A sexta geração do utilitário começará a ser produzido em junho e tem première oficial agendada para o Salão de Frankfurt, em setembro.

A Volkswagen está a preparar a nova geração do Polo, que pretende lançar perto do final deste ano. O Polo VI começará a ser produzido em Wolfsburg, na Alemanha, a partir de junho e fará a sua estreia ao grande público no Salão de Frankfurt, em setembro. O novo modelo ainda não foi apresentado oficialmente, mas a Ferd publicou imagens do carro totalmente sem camuflagem. O utilitário alemão, que está em produção há 42 anos, segue a estética recentemente introduzida no Golf, além de aparentar uma frente mais larga.

O novo Polo será feito com base numa nova plataforma MQB A0, que estreou no Seat Ibiza, contará com uma gama de motores atualizada, suspensão modificada e modificações técnicas significativas, segundo promete a marca alemã. Sabe-se que será mais comprido e mais largo que o antecessor, beneficiando ainda de vias mais largas e maior distância entre eixos (o que deverá implicar melhores cotas de habitabilidade e mais espaço na bagageira face ao modelo que está no mercado há oito anos). Visualmente, destaque para os faróis redesenhados, linha de tejadilho mais pronunciada e uma traseira visivelmente diferente do modelo atual. Tal como sucede com o Polo V, o próximo modelo estará disponível em versões de cinco e três portas. Já o CrossPolo deverá ser substituído pelo T-Cross. Por dentro, a VW aposta num aumento da qualidade dos materiais, novas decorações, bancos e comandos. Nas versões mais equipadas, espera-se uma instrumentação digital, um novo ecrã tátil, acesso sem chave e sistema de estacionamento automático Park Pilot.

A gama de motores deverá ser mais curta, destacando-se um 1.0 turbo de três cilindros a gasolina com versões de 65, 75, 95 e 115 cv, o novo 1.5 TSI de quatro cilindros com 130 e 150 cv (em substituição do 1.4 TSI), com um sistema de desativação de cilindros. A versão mais potente será utilizada no Polo GT. No topo da gama deverá figurar um Polo GTI com um 2.0 turbo a debitar 200 cv. Nos Diesel, deverá existir um 1.6 TDI com opções de 80, 90 e possivelmente 110 cv (em vez do 1.4 TDI). Mais tarde está previso um Polo “mild-hybrid” a gasolina e uma versão a gás natural com um 1.0 turbo de três cilindros. As versões mais potentes contarão com uma caixa manual de seis velocidades, e existirão opções com caixa de dupla embraiagem DSG de sete. Não estão previstas versões com tração integral.

Assine Já

Edição nº 1457
Já nas bancas

Digital Papel

Top

Os mais recentes